Workflow Nikon

Workflow para usuários de câmeras e programas Nikon

Workflow, ou fluxo de trabalho, é o processo utilizado pelo fotografo para capturar, avaliar, classificar, editar, imprimir e armazenar suas imagens digitais. É muito importante entender que isso é uma questão pessoal e o que é considerado por alguém como um fluxo perfeito pode ser totalmente inapropriado para outro. O que apresento aqui é o fluxo que utilizo baseado em minha própria experiência e em leitura de livros/revistas/artigos sobre o assunto.

O fluxo que proponho é totalmente baseado em equipamentos e softwares da Nikon, claro que a teoria aqui envolvida pode ser útil a usuários de outros equipamentos e softwares, mas o foco é nos produtos citados.

O fluxo apresentado também parte do pressuposto que você fotografa em NEF, mais uma vez, varias partes podem ser uteis a quem não usa o RAW.

Os softwares que serão abordados são os seguintes:

  • Importação e backup dos arquivos: Nikon Transfer (free)
  • Avaliação e classificação: Nikon ViewNX (free)
  • Edição e impressão: Nikon Capture NX 2

Parte I

Importação e Backup dos arquivos

A fase de captura envolve o click em si (que não discutiremos aqui) e a importação dos arquivos para o computador. Um processo bem definido durante a importação pode facilitar bastante a catalogação, armazenamento e posterior localização das fotos.

A importação para o computador pode ser feito conectando sua câmera diretamente a uma das portas USB ou ainda através de um leitor de cartões, consulte o manual da sua câmera para saber como fazer a conexão.

Nikon Transfer

Usaremos agora o software Nikon Transfer para importação dos arquivos, esse software vem no CD que acompanha sua câmera, para a versão mais atual consulte a pagina da Nikon: http://support.nikontech.com/app/answers/detail/a_id/61. A versão usada neste artigo é a 1.4.0.

Nessa fase do processo eu sugiro seguir as etapas abaixo:

  • Criar uma estrutura de pastas para seus arquivos
  • Efetuar um backup de seus arquivos originais
  • Adicionar palavras chave de alto nível (tags) e metadados relevantes aos arquivos originais
  • Renomear os arquivos com nomes descritivos

O ideal é que antes de começar o processo de copia para seu HD você já tenha definida uma estrutura de pastas organizada de forma coerente e que facilite a localização posterior dos arquivos. Claro que você sempre poderá utilizar as tags para localizar fotos posteriormente, mas eu acho que uma estrutura de pastas bem definida é sempre o melhor modo de manter minhas imagens no HD.

E como é uma estrutura de pastas coerente e bem definida? Bem, não há apenas uma resposta aqui, existem varias opções de acordo com preferências e ate mesmo com o tipo de trabalho que o fotografo realiza com maior freqüência, eu, por exemplo, costumo criar uma hierarquia de pastas dentro da pasta Pictures (Imagens) com a seguinte estrutura: Nome da câmera – Nome do evento – Data do evento, ex: D700\Fernando de Noronha\20091231. Um fotógrafo de eventos sociais poderia definir uma estrutura do tipo Ano – Tipo de evento – Nome do cliente, ex: 2009\Casamentos\Alan e Priscila. Você precisa encontrar a melhor estrutura para suas necessidades, pense como você irá procurar por uma serie de fotos daqui a dois anos, quais seriam as palavras chave e a estrutura de pastas que facilitaria essa localização?

Outra coisa muito importante a se fazer nessa fase é a adição de palavras chave (tags). Como essas tags serão aplicadas a todo o lote de fotos importadas, elas devem ser de alto nível, ou seja, palavras chave que façam sentido a todas as fotos do lote, as palavras chave especificas de cada foto serão adicionadas na fase seguinte do fluxo. As informações básicas como modelo da câmera, abertura utilizada, disparo ou não do flash, etc. já são adicionadas pela própria câmera, sugestões de tags que podem ser adicionadas nesse momento são: informações de copyrigth, informações do fotografo, informações do evento (casamento, batizado, “15 anos”), local (caso não use geotags), site do fotógrafo, etc.

Podemos aproveitar o software de importação para já neste momento realizar uma copia de backup dos arquivos originais, já que, em geral, precisaremos liberar o espaço no cartão de memória para nova utilização. É muito importante ter em mente que cópias mantidas em um mesmo dispositivo NÃO podem ser consideradas como backup, não adianta manter varias copias dos arquivos no mesmo HD, por exemplo, se ele queimar ou for roubado.

Outra coisa que pode ser feita neste momento é a renomeação dos arquivos. Pessoalmente não costumo renomear minhas fotos, deixo para renomeá-las quando faço o upload para publicação em sites como Flickr, Olhares, etc., mas se você costuma enviar suas fotos para vários locais, esse é certamente o momento de renomeá-las em lote.

Mãos à obra! Vejamos como utilizar o Nikon Transfer para realizar todo esse trabalho por nós.

Configurando as preferências no Transfer

Vamos começar pela aba Preferences:

Preferences

Preferences

Embora as opções sejam auto-explicativas vejamos um breve descritivo:

(1) Launch automatically when device is attached: Selecione essa opção para que o Nikon Transfer seja iniciado automaticamente quando uma câmera for conectada ao computador ou quando um cartão de memória for inserido.

(2) Disconnect automatically after transfer: Selecione essa opção para que o dispositivo seja desconectado do sistema após a transferência ser concluída.

(3) Shut down computer automatically after transfer: Selecione essa opção para que o computador seja desligado após a transferência ser concluída.

(4) Quit Nikon Transfer automatically after transfer: Selecione essa opção para que o Nikon Transfer seja encerrado após a transferência ser concluída.

(5) Synchronize camera date and time to computer when camera is connected (supported cameras only): Selecione essa opção para que a data e hora da câmera seja sincronizada com a data e hora do computador quando a câmera for conectada, obviamente só funciona com câmeras que suportam essa funcionalidade.

(6) Transfer new photos only: Esta opção diz ao Nikon Transfer para transferir somente fotos que não hajam sido tranferidas anteriormente para o computador.

(7) Delete original files after transfer: Selecione essa opção para que as fotos sejam apagadas do cartão após a transferência ser concluída. (somente recomendo o uso dessa opção caso faça simultâneamente a cópia de segurança dos arquivos).

(8) Open destination folder with other application after transfer: Selecione essa opção para que o Nikon Transfer abra o seu programa visualizador de fotos após a transferência ser concluída. (configure o programa a ser aberto na caixa de seleção logo abaixo).

Selecionando a fonte onde se encontram os arquivos

Depois de configuradas as preferências, selecione a aba Source para informar ao Transfer em quais fontes ele deve procurar arquivos para transferir. Existem duas opções possíveis: Câmeras e Discos Removíveis, se você utiliza exclusivamente um dos dois dispositivos selecione somente o que deseja, caso contrário, deixe as duas alternativas selecionadas.

Source

Source

Por padrão a tela se apresenta com as partes Thumbnails e Transfer queue contraídas, expanda essas partes (clicando na seta) para ver miniaturas das fotos e selecionar as que devem ou não ser transferidas:

Source

Source

Embutindo informações adicionais nos arquivos

Vamos agora à aba Embedded Info para adicionar tags genéricas e metadados às nossas fotos:

Embutindo informações adicionais

Embutindo informações adicionais

A caixa XMP/IPTC Preset permite selecionar um preset existente para aplicar ao lote, existem os presets genéricos já configurados, você pode apenas editar um deles ou criar um novo, para isso, clique no botão “Edit”:

Embutindo Informações no Arquivo

Embutindo Informações no Arquivo

(1) Lista de presets: Lista os presets já existentes, selecione um para editar as configurações.

(2) New: Cria um novo XMP/IPTC preset.

(3) Duplicate: Cria um novo preset baseado no atualmente selecionado.

(4) Delete: Exclui o preset selecionado.

(5) Check all: Seleciona/deseleciona todas as opções de campos do preset.

(6) XMP/IPTC field area: Área para editar/visualizar as informações.

(7) OK: Salva as alterações e sai da tela.

(8) Cancel: Sai da tela sem salvar as mudanças.

Em geral adiciono informações básicas de copyright e tags genéricas:

Embutindo Informações no Arquivo

Embutindo Informações no Arquivo

Apontando o destino primário para onde os arquivos serão transferidos, configurando a criação de subpastas e renomeando arquivos

Vamos agora a parte principal, a aba Primary Destination. Aqui é onde você define a pasta onde o Transfer irá colocar as imagens em seu computador:

Destino Primário dos Arquivos

Destino Primário dos Arquivos

Existem muitos detalhes aqui, cobriremos os mais relevantes.

Destino Primário dos Arquivos, Detalhes

Destino Primário dos Arquivos, Detalhes

(1) Primary destination folder: Esta caixa contém uma lista das 10 últimas pastas utilizadas para transferência, para selecionar uma pasta que não está na lista clique na opção Browse.

(2) Subfolder options: Caso deseje criar novas pastas dentro da pasta escolhida na opção anterior use uma destas opções.

(3) Rename photos during transfer: Selecione essa opção caso deseje renomear automáticamente seus arquivos durante a transferência.

(4) Edit: Permite configurar o esquema utilizado para renomear os arquivos.

Detalhes:

Em Primary destination folder você escolhe a pasta raiz. (por exemplo: C:\Fotos\2009).

A opção Subfolder options pode ser ignorada se você costuma criar sua estrutura de pastas antes de iniciar a transferência dos arquivos, nesse caso, selecione a Don’t use subfolder, pois a pasta correta já está sendo apontada em Primary destination. Caso deseje que o Transfer crie as subpastas para você escolha uma das outras opções.

Create subfolder for each transfer: O Transfer criará uma nova pasta a cada transferência de acordo com as opções configuradas, para alterar as configurações clique no botão “Edit”, por padrão são criadas pastas tendo como nome um número sequencial:

Nomeando as Pastas

Nomeando as Pastas

O nome é composto de cinco elementos:

  • Prefixo
  • Separador
  • Elemento diferenciador
  • Separador
  • Sufixo

Suponha que nossa pasta base é C:\Fotos\2009\Casamentos\Alan-Priscila e desejamos transferir as fotos do casamento de Alan e Priscila, foram feitas fotos durante a cerimônia e durante a festa, sempre com dois fotógrafos: Barbieri e Paula, veja uma sugestão para esse cenário:

Nomeando Pastas

Nomeando Pastas

Obviamente nessa etapa selecionaríamos para transferência apenas as fotos da cerimônia feitas pelo Barbieri, observe que caso não costume descarregar as fotos imediatamente após a realização do evento, ter vários cartões ajudaria muito na organização, pois utilizaríamos um cartão diferente para cada evento do dia.

Choose subfolder under Primary Destination path: Essa opção mostrará uma caixa de texto que permitirá a digitação do nome para a subpasta a ser criada:

Nomeando Patas, Detalhes

Nomeando Patas, Detalhes

Copy folder names from camera: Essa opção diz ao Transfer para copiar exatamente o nome das pastas contidas no cartão, use essa opção se você tem o habito de criar pastas apropriadas no cartão de memória.

A próxima etapa é renomear os arquivos que estão sendo transferidos. Confesso que pessoalmente não costumo renomear arquivos, acho essa etapa muito importante para quem não monta uma estrutura de pastas coerentes, se você escolheu seguir as dicas anteriores também não vai se importar muito com isso, pois conseguirá localizar seus arquivos facilmente a qualquer momento, mas também é possível não seguir as dicas anteriores e colocar bons nomes em seus arquivos. Outra indicação de uso seria para pessoas que costumam copiar apenas alguns arquivos para outros locais, pois ao remover o arquivo de dentro da estrutura de pastas o mesmo não carregaria essa informação.

Para criar o padrão de nomeação a ser usado clique no botão “Edit”, as opções são bastante similares às da tela de renomeação de pastas, apenas com a adição de algumas opções:

Renomeando Arquivos

Renomeando Arquivos

Siga aqui a mesma lógica dos cinco elementos, o que há de novo é a possibilidade de misturar novas informações com o nome original do arquivo. Abaixo uma sugestão que carrega aproximadamente as mesmas informações que usamos para configurar os nomes das pastas:

Renomeando Arquivos

Renomeando Arquivos

Efetuando uma copia de segurança dos arquivos

A última, porem não menos importante, etapa a ser vista é opção de fazer uma copia de segurança (backup) dos arquivos já no ato da transferência. Gostaria de ressaltar a enorme importância dessa etapa, especialmente se você configurou o Transfer para apagar os arquivos do cartão após a transferência.

Mantenha sempre uma cópia de segurança de seus arquivos, eu pessoalmente faço a copia no ato da transferência, e posteriormente, na medida em que vou editando minhas imagens, sempre atualizo a(s) copia(s) e mais uma vez gostaria de lembrar que o ideal é que sempre devemos ter uma copia em um meio físico diferente de onde se encontram os arquivos originais, de preferência em locações distintas, ou seja, mantenha uma copia em sua casa e outra em seu escritório por exemplo.

Em meu fluxo de trabalho sempre faço uma copia no HD local da maquina em que vou editar as fotos e uma copia em um HD externo USB, lembre-se sempre de ter as fotos no HD local na hora da edição, pois editar fotos em um HD externo ou em rede atrasa bastante o processo.

Vale ressaltar que o fato de efetuarmos o backup em paralelo nesse momento também irá atrasar a transferência dos arquivos, portanto, se você tem urgência em liberar o cartão ou o computador onde isto esta sendo feito, deixe essa etapa para depois, avalie o que é mais importante no momento, segurança ou tempo.

Decidida a estratégia a ser adotada selecione a aba “Backup Destination”:

Destino da Cópia de Segurança

Destino da Cópia de Segurança

As opções são bastante simples, caso deseje efetuar o backup em paralelo selecione essa opção e selecione a o caminho, obviamente você já deverá tê-lo incluído em sua estrutura de pastas ou configurado a criação de subpastas na etapa anterior, nesse caso é só marcar a opção “Use same settings as Primary Destination”, caso não deseje usar a mesma configuração, crie uma nova clicando no botão “Edit”.

Utilizando o serviço my Picturetown

Uma nova etapa opcional esta disponível nessa versão que é a transferência direta de seus arquivos para sua conta no http://www.mypicturetown.com, o My Picturetown é um serviço gratuito de hospedagem de fotos da Nikon que oferece 2GB de espaço online, você não ira querer usar esse recurso nesse momento a menos que fotografe em JPG e que considere que suas fotos já saem prontas para distribuição da câmera, ou ainda, se você utiliza o serviço apenas como um drive virtual online, nesse caso, selecione as opções desejadas, informe seu nome de usuário e sua senha e siga em frente, tenha em mente que seu PC deverá estar conectado à internet e que isso atrasará muito o fim do processo:

my Picturtown

my Picturtown

Na figura abaixo uma visão do site:

my Picturetown, visão do site

my Picturetown, visão do site

Realizando a transferência

Após todas as configurações concluídas só resta clicar no botão “Start Transfer” e aguardar a conclusão do processo.

Parte II

Avaliação e classificação das imagens

Agora que você já transferiu seus arquivos de imagens para o computador é hora de avaliar e classificar as imagens, sei de fotógrafos que executam essa fase com as imagens ainda no cartão de memória, eu recomendo enfaticamente que você trabalhe com as fotos já no HD de seu computador, pois o tempo de leitura/escrita dos arquivos a partir do cartão de memória é muito maior que do HD, mesmo o uso de um HD externo via USB poderá se tornar inconveniente dependendo da quantidade das fotos e do tamanho dos arquivos.

Esta fase é muito importante, pois evitará que você gaste tempo editando fotos que não serão aproveitadas ou até mesmo que perca o foco na hora da edição quando terá que avaliar cada foto antes de editá-la.

Nesta fase iremos analisar cada foto avaliando suas qualidades artísticas e técnicas para descartar as que não apresentam interesse ou aquelas que o trabalho para corrigir eventuais erros técnicos não compensaria. Ou seja, precisamos verificar quais fotos são boas o suficiente para serem editadas.

Neste momento precisaremos de um programa que permita visualizarmos nossas imagens com zoom de 100% para avaliarmos sua nitidez e detalhes, se pudermos visualizar com as configurações feitas na câmera melhor ainda, já que assim nos remeterá o mais próximo possível da idealização da imagem na hora de sua concepção. Se esse programa permitir ajustes básicos poderá nos dar uma idéia do grau de dificuldade que teremos para corrigir eventuais erros, ou até mesmo, já deixá-los corrigidos nessa fase, outro recurso fundamental será o histograma da imagem.

Outra boa opção será poder inserir em cada arquivo individualmente informações pertinentes a cada foto (tags).

A boa noticia é que o software que usaremos nessa fase, o View NX fornecido gratuitamente pela Nikon, possui todos os recursos necessários à realização dessas tarefas com muita elegância e eficiência e ainda vários outros recursos/ facilidades.

O processo de avaliação e analise pode ser feito de varias formas, inclusive, há fotógrafos que misturam essa fase com a fase de edição (que, em tese, deveria ser a fase seguinte), eles analisam e escolhem uma foto e já trabalham na edição, eu prefiro selecionar todas as fotos antes de começar a edição.

Bem, agora listarei as etapas que sigo em meu workflow nessa fase, posteriormente veremos detalhadamente como utilizar o View NX para implementar esse fluxo.

  • Observo a miniatura no View NX
  • Quando a composição e o assunto da foto me agradam abro a visualização em 100% para conferir detalhes técnicos como nitidez, contraste, sombras perdidas ou estouros, etc.
  • Confirmando as qualidades da foto atribuo uma classificação e/ou um rótulo
  • Comparo a foto com outras muito similares para escolher apenas a melhor entre elas
  • Quando conveniente insiro as tags individuais e outros metadados pertinentes

Gostaria de ressaltar mais uma vez que meu fluxo é baseado em raw, fotógrafos que utilizam JPG como seu formato inicial deverão adotar critérios diferentes na seleção de suas imagens, por exemplo, eu não me preocupo nem um pouco com o White balance de minhas fotos, já que poderei modificá-lo à vontade, porem, para quem só possui o JPG uma escolha errada de WB praticamente condena a foto à lixeira.

Nesse processo vocês me verão deletando arquivos originais, porem, na primeira fase eu já fiz backup de todos os arquivos, então, a qualquer momento que eu deseje recuperar esses arquivos eles estarão em algum lugar bem catalogado de meu HD ou de um DVD, não recomendo a quem não possui backup apagar arquivos, a não ser que eles sejam incontestavelmente imprestáveis mesmo.

Bem, mãos a obra, vamos colocar o fluxo em prática com o Nikon View NX, a versão utilizada aqui é a 1.3.0, algumas funcionalidades podem ser diferentes em outras versões.

Escolhendo a pasta com as imagens

A primeira coisa a fazer no View NX é escolher a pasta onde estão os arquivos em que irá trabalhar, para isso use a paleta Folders que fica no lado esquerdo da tela, clique no sinal de (+) e a janela será expandida:

Ao escolher uma pasta aqui as imagens serão automaticamente exibidas na interface do View NX.

Estrutura de pastas

Estrutura de pastas

Manipulando pastas

Clicando-se sobre uma pasta com o botão direito teremos varias opções tradicionais de manipulação de pastas como Renomear, Recortar, Colar, Criar nova pasta, etc.

Adicionando uma pasta como favorita

Uma das funcionalidades pouco conhecidas e mais úteis é que você pode arrastar uma pasta para a área superior dessa janela (Drag favorites folders here:) quando então será criado um atalho para essa pasta, a partir de agora você terá acesso rápido a essa pasta diretamente por esse atalho, sem precisar navegar pela arvore de diretórios.

Adicionando uma pasta aos favoritos

Adicionando uma pasta aos favoritos

Os atalhos padrão do View NX

Na parte de cima dessa janela pode-se observar alguns itens como:

  • Capture NX Watched Folder (aparece se você possui o software Capture NX instalado e uma pasta configurada em Batch -> Watched Folder)
  • Camera Control Pro (aparece se você possui o software Camera Control Pro instalado e uma pasta de download configurada)
  • Recent Transfer
  • Primary Destination
  • Backup Destination (estas três ultimas opções aparecem caso você possua o Nikon Transfer instalado com estas pastas devidamente configuradas)

Estes atalhos são fixos, não podem ser editados ou removidos.

Excluindo um atalho dos favoritos

Para remover qualquer outro atalho clique sobre ele com o botão direito e a opção “Delete” aparecerá.

Escolhendo um modo de visualização

Após escolher a pasta clique no ícone com o sinal (-) acima da palavra Folders para contrair essa janela e sobrar mais espaço para visualização das fotos.

Estando no modo de visualização (browse) você terá as seguintes opções:

  • Thumbnail View
  • Image Viewer
  • Full Screen
Modos de visualização

Modos de visualização

Vale observar que algumas funções só estarão disponíveis no modo image viewer, como por exemplo, verificar shadows ou highlights “perdidos”.

Para selecionar o modo de visualização use o menu View ou o Atalho na barra de tarefas:

Selecionar modo de visualização

Selecionar modo de visualização

Uma função pela qual sou absolutamente apaixonado e pouco conhecida do programa é que ele oferece a oportunidade de trabalhar com mais de um monitor, então, se ele detectar que você tem múltiplos monitores conectados ao seu computador ele mostrará mais uma opção:

Modo de monitores múltiplos

Modo de monitores múltiplos

Thumbnails and Full Screen, com essa opção selecionada ele exibirá a foto selecionada em thumbnails em full screen no segundo monitor, uma mão na roda…

Exibição em dois monitores

Exibição em dois monitores

Ajustes no modo de exibição

As opções demonstradas abaixo servem com algumas variantes para a maioria dos modos de visualização, obviamente, algumas não se aplicam ao modo Full Screen:

Ajustes no modo de exibição

Ajustes no modo de exibição

  1. Essa opção permite modificar o tamanho da miniatura sendo exibida
  2. Essa opção permite alternar a exibição das miniaturas entre grid (lado a lado sem detalhes) e lista (uma lista com detalhes do arquivo alem da miniatura)
  3. Exibe/oculta a janela 3a com informações do exif
  4. Exibe/oculta a janela 4a com o histograma
  5. Permite alterar o tamanho da imagem exibida na parte de baixo

Sempre poderemos observar uma imagem em tela cheia (full screen) dando um duplo clique sobre uma miniatura ou pressionando a tecla F.

Para ver em que (quais) ponto da foto foi feito o foco clique no atalho Focus Point que se encontra na barra de tarefas ou use o menu Images -> Show Focus Point.

Uma boa forma de escolher imagens é trabalhar sempre em full screen e ir navegando nas imagens pelas setas de navegação na parte de baixo da tela, porem, há dois inconvenientes nisso, primeiro a maior demora do programa em renderizar as imagens em tela cheia e segundo que você perde a noção de conjunto de fotos semelhantes, acaba gastando tempo classificando uma imagem para a qual existe uma similar bem melhor logo à frente.

Detalhes sobre o histograma

O histograma é sem duvida nosso maior aliado para obter informações sobre a correta exposição da foto, se quiser ser minucioso e descobrir qual canal de cor teve problemas de exposição selecione a opção R/G/B no menu:

Histograma R/G/B

Histograma R/G/B

Slide show

Uma forma bastante agradável de visualizar suas fotos (tanto antes quanto após a edição) é utilizar a função slide show do View NX, esta função pode ser acionada pelo atalho na barra de ferramentas ou no menu File -> Slideshow, e apresenta as seguintes configurações de execução:

Slideshow

Slideshow

Durante a apresentação do slideshow você poderá aplicar rótulos e classificar as imagens.

Apagando arquivos

Para apagar imagens a qualquer momento basta selecioná-la(s) e clicar no ícone de lixeira que fica na parte inferior direita da barra de status, vale observar que esse comando não é para remover a foto da visualização, mas sim para eliminá-la do HD, portanto, use com muito cuidado.

Classificando as fotos

Agora que já vimos o básico sobre como navegar nas fotos usando o View NX veremos como aplicar rótulos e classificação às nossas fotos.

O View NX possui dois recursos para classificar fotos, os rótulos (Labels) e a classificação através de estrelas (Rating).

Estrelas (Rating)

O uso de estrelas para classificar algo já é bastante conhecido e provavelmente já está “no sangue” da maioria, em geral atribuímos poucas estrelas a coisas ruins e muitas estrelas a coisas boas, o View NX não faz nenhum tipo de assunção sobre como você usa suas estrelas, ele apenas as usará para aplicar filtros quando solicitado (não apenas o View NX, mas a maioria dos softwares de imagens conseguirá ler essa informação e exibi-la, inclusive o Capture NX que usaremos na próxima fase de nosso workflow). Você tem um total de 5 (cinco) estrelas disponíveis para classificar uma foto, em geral, usa-se uma estrela para fotos ruins, três para fotos regulares (ou, na média) e cinco para fotos excelentes, claro que isso é uma questão de escolha pessoal, alguns usarão os cinco níveis para classificar suas fotos, para outros bastariam dois que diriam se uma foto será ou não aproveitada, se você ainda não pensou muito sobre o assunto eu recomendo seguir este critério:

  1. Foto ruim, dificilmente será aproveitada
  2. Foto ruim com boa chance de ser aproveitada, após algum tratamento por exemplo, (pense numa foto com boa composição e assunto, mas com problemas técnicos sérios e que não possui nenhuma similar)
  3. Foto padrão, boa para ser aproveitada, mas sem nenhum atrativo especial, nessa classificação estará, provavelmente, a maioria de suas fotos
  4. Foto muito boa, aquela que não pode ficar de fora de uma exposição ou do seu portfólio
  5. Fotos com fator “wow”, aquela que faz a diferença e não pode ficar de fora em nenhuma hipótese, aquela que você olha e diz: parla… (aquela que receberia uma classificação 1 ou 2 do Ken Rockwell…rs)

Se não consegue/quer fazer distinção entre esses cinco níveis use apenas três, o 1, 3 e 5, dessa forma você fica com um bom lastro para retornar e fazer um ajuste mais fino posteriormente.

Somente as estrelas já resolvem o problema da classificação de fotos na maioria absoluta dos casos, porem, existem casos em que você precisa de um segundo recurso, ou ainda, precisa/quer um pouco mais de granularidade, quer mais do que os cinco níveis de classificação oferecidos pelas estrelas, para esses casos use os rótulos, eles são muito mais sofisticados que as estrelas.

Rótulos (Labels)

Existem 10 rótulos disponíveis, de 0 (zero) a 9 (nove), na verdade, o 0 (zero) seria equivalente a ausência de classificação, já que esse é o rótulo padrão para fotos que nunca receberam um rótulo. A cada rótulo corresponde uma cor, um número e um nome. Por padrão o nome dos rótulos é o nome da cor, mas os nomes podem ser alterados em Edit -> Options -> XMP/IPTC Information, para alterar desmarque a opção Use default values:

Renomeando labels

Renomeando labels

Aqui você fica livre para criar categorias bem significativas e que tenham ligação com a realidade do seu trabalho, do seu dia a dia, coisas como: diurnas internas, diurnas externas, diurnas no carro, noturnas na piscina, etc., ou ainda: precisa muito tratamento, precisa pouco tratamento, dispensa tratamento, etc., ou mais: escolhidas do noivo, escolhidas da noiva, escolhidas dos padrinhos do noivo, etc., ou qualquer coisa que sua criatividade permitir ou sua necessidade determinar.

Bem, quando falei das estrelas eu disse o seguinte: “Somente as estrelas já resolvem o problema da classificação de fotos na maioria absoluta dos casos”, bem, se as estrelas que são apenas cinco e não podem ser personalizadas já resolvem a maioria dos casos, agora então com os labels nós não precisamos de mais nada… Esse raciocínio é valido novamente para a maioria absoluta dos casos, em geral, você usará estrelas ou rótulos, mas existem situações em que você usará ambos, por exemplo, quando faço fotos para um cliente que me autoriza a publicar suas fotos em meu portfólio pessoal eu preciso de uma forma de colocar a minha avaliação das fotos e mais a avaliação do cliente nas fotos que ele deseja, nesse caso, costumo usar as estrelas para a minha avaliação e deixo os rótulos para o(s) cliente(s).

Novamente, o programa utiliza os rótulos apenas para filtrar as fotos quando solicitado, ele não atribuirá nenhum significado a eles.

Como aplicar estrelas (Ratings)

Em qualquer modo de exibição que esteja você verá estrelas na parte superior e na parte inferior da tela, para aplicar uma classificação você sempre usará as estrelas da parte inferior da tela, as estrelas da parte superior são para aplicação do filtro.

  • Selecione a(s) foto(s) que deseja aplicar estrelas
  • Clique na estrela correspondente ao nível que deseja na parte de baixo da tela (clique na terceira estrela para aplicar três estrelas por exemplo) OU
  • Use o menu Image -> Apply Ratings -> (quantidade desejada) OU
  • Use a tecla Ctrl + o numero correspondente (Ctrl + 3)

Aplicando estrelas

Aplicando estrelas via menú

Aplicando estrelas via menú

Para modificar uma classificação basta seguir os mesmos passos anteriores e escolher a quantidade de estrelas desejada, a substituição é imediata.

Como aplicar rótulos (labels)

O procedimento é o mesmo citado para as estrelas.

Em qualquer modo de exibição que esteja você verá rótulos na parte superior e na parte inferior da tela, para aplicar um rótulo você sempre usará os rótulos da parte inferior da tela, os rótulos da parte superior são para aplicação do filtro.

  • Selecione a(s) foto(s) que deseja aplicar o rótulo
  • Clique no rótulo desejado na parte inferior da tela OU
  • Menu Edit -> Apply Labels -> (número desejado) OU
  • Pressione diretamente no teclado a tecla numérica correspondente ao rótulo desejado
Aplicando labels

Aplicando labels

aplicando labels via menú

aplicando labels via menú

Para modificar um rótulo basta seguir os passos anteriores e selecionar o novo rótulo a ser aplicado.

Revisitando a visualização de fotos

Agora que já sabemos como aplicar ratings e labels às nossas fotos vejamos como tirar proveito deles ainda nessa fase.

É claro que o uso de ratings e labels mostrará sua real utilidade na próxima fase do workflow (edição), mas ele também nos é útil agora mesmo nessa fase em algumas situações em que se deseje filtrar as fotos exibidas de acordo com uma determinada classificação ou rótulo recebido.

Sempre vale lembrar que o uso do View NX não está restrito a visualização e classificação de imagens, você pode usar o View NX para imprimir suas fotos, enviá-las por e-mail ou ainda para o Picturetown (abordado na primeira parte), em todas essas situações os labels e ratings serão úteis.

Filtrando com Labels

Vamos então entender como funcionam os filtros de visualização no View NX, observe a figura abaixo, observe as miniaturas, atente para os labels e ratings:

Sem filtro

Sem filtro

Observe a barra de tarefas acima das miniaturas, lá estão os labels e ratings, veja que antes deles existe a palavra Filter, ao clicar em um label aqui você estará dizendo ao View NX para mostrar a você somente as imagens rotuladas com aquele label, veja a mesma imagem com o label 7 aplicado:

Filtrado label 7

Filtrado label 7

Você não está restrito a exibir imagens com um único label, basta clicar em outro label e eles serão cumulativos, veja novamente a mesma imagem com os labels 7 e 9 aplicados:

Filtrado labels 7 e 9

Filtrado labels 7 e 9

Para remover um label do filtro basta clicar sobre ele novamente, para remover todos os labels do filtro de uma única vez clique no sinal de tick (v) que aparece antes dos labels.

Filtrando com Ratings

O funcionamento do filtro de rating é muito parecido com o dos labels, a única diferença é que você não pode escolher ratings não contíguos, ao clicar na segunda e na quarta estrela a terceira será incluída na faixa automaticamente, vejamos a figura abaixo onde o filtro está aplicado e exibindo fotos com o rating 4:

Filtrando com 4 estrelas

Filtrando com 4 estrelas

Observe os dois triângulos limitando a faixa à quarta estrela e veja que todas as miniaturas exibidas são de fotos com esse rating, vejamos agora o filtro com 3 a 5 estrelas:

Filtrando de 3 a 5 estrelas

Filtrando de 3 a 5 estrelas

Agora vemos miniaturas de fotos com 3, 4 e 5 estrelas.

Para “limpar” o filtro de rating basta clicar no símbolo de tick (v) ao lado dos ratings.

Filtrando com Labels e Ratings cumulativamente

Outra coisa interessante é que você pode aplicar filtros combinando labels e ratings, no exemplo abaixo exibiremos fotos que receberam um label 7 ou 9 e um rating de 4 a 5 estrelas:

Filtro labels + ratings

Filtro labels + ratings

Filtrando pelo tipo de arquivo

Ainda há mais uma opção de filtro no View NX que é o filtro por tipo de arquivo, nele você determina os tipos de arquivo que deseja ou não que sejam exibidos:

Filtro pelo tipo de arquivo

Filtro pelo tipo de arquivo

Efeito dos filtros

Vale lembrar que a aplicação de filtro não atua somente na visualização, mas também em todas as outras funcionalidades do View NX, ou seja, ao imprimir, enviar por e-mail, enviar ao Picturetown só serão utilizados os arquivos que atendam ao filtro.

Ordenando suas fotos

O View NX permite que você ordene a exibição de suas fotos por vários critérios como nome, data do clique, data de modificação, tamanho do arquivo, tipo do arquivo, label ou rating e tudo isso ordenado ascendente ou descendentemente, para isso use a opção Sort na barra de tarefas:

Ordenação

Ordenação

Visualizando sombras ou estouros “perdidos” (lost shadows and haighlights)

Um dos critérios para quem fotografa em JPG que pode condenar uma foto a ir para a lixeira é o fato dela conter estouros ou sombras irrecuperáveis, o View NX pode nos mostrar se isso aconteceu e com um nível de detalhes que chega a impressionar. Para habilitar essa opção coloque o modo de visualização em image viewer e selecione uma foto, depois vá ao menu Image e escolha uma das opções Show Lost Highlights (atalho letra H) ou Show Lost Shadows (atalho letra S):

Sombras perdidas

Sombras perdidas

Nesta imagem vemos uma foto super exposta com seus highlights “perdidos”, como a foto foi feita em raw a chance de recuperá-la é bem grande, em JPG estaria condenada pela perda de detalhes.

Observe a mesma imagem com uma correção de -1 na exposição e um Highlight protection de 10 na sessão Quick Adjustment do View NX, isso já é o suficiente para que eu possa apreciar a imagem e verificar suas outras qualidades:

Estouros corrigidos

Estouros corrigidos

Interpretando as cores do Lost Highlights

Como pode ser observado na figura acima os LH são mostrados em cores diferentes, vejamos como interpretar essa informação para usá-la a nosso favor.

Pense grosseiramente que a captação de luz vai de 0 a 255 onde zero é a ausência de luz e 255 uma quantidade tão grande de luz que esse ponto fica totalmente sem detalhes. Então, o View NX não se importa com valores iguais ou menores que 254, todos os pontos demonstrados nessa imagem possuem um valor de 255 em pelo menos uma das cores, quais as cores estouraram (255) é exatamente o que essas cores na imagem significam, mas não é uma tradução direta, veja como funciona:

Cor

Descrição

Branco

Esta área contém valores de 255 para os canais vermelho, verde e azul.

Amarelo

Esta área contém valores de 255 para os canais vermelho e verde.

Magenta

Esta área contém valores de 255 para os canais vermelho e azul.

Ciano

Esta área contém valores de 255 para os canais verde e azul.

Vermelho

Esta área contém valores de 255 para o canal vermelho.

Verde

Esta área contém valores de 255 para o canal verde.

Azul

Esta área contém valores de 255 para o canal azul.

Preto

Todos os canais nessa área contêm valores menores que 255.

Interpretando as cores do Lost Shadows

O raciocínio inverso é válido para os LS, 0 nesse caso significa ausência de luz captada naquele ponto o que significa perda de detalhes.

Cor

Descrição

Preto

Esta área contém valores de 0 para os canais vermelho, verde e azul.

Azul

Esta área contém valores de 0 para os canais vermelho e verde.

Verde

Esta área contém valores de 0 para os canais vermelho e azul.

Vermelho

Esta área contém valores de 0 para os canais verde e azul.

Ciano

Esta área contém valores de 0 para o canal vermelho.

Magenta

Esta área contém valores de 0 para o canal verde.

Amarelo

Esta área contém valores de 0 para o canal azul.

Branco

Todos os valores nessa área são maiores que 0.

Adicionando informações aos seus arquivos (metadados)

Sua câmera já adiciona muita informação aos arquivos por ela gerados, consulte a aba Metadata – File & Camera Information para visualizar informações como data do clique, câmera e lente utilizadas, dados da exposição, flash, GPS, etc. abaixo uma amostra dessas informações inseridas pela D700:

Metadados

Metadados

Caso queira inserir informações personalizadas você tem na aba Metadata a caixa XMP/IPTC Information, é aqui que você coloca tudo e mais um pouco sobre você, seu trabalho e sua foto, vejamos as opções existentes:

Metadados em detalhes

Metadados em detalhes

Após preencher as informações desejadas clique em Apply e feche a aba para salvar as novas informações no arquivo.

Mas Barbieri, eu terei que preencher essas informações novamente para todas as fotos? Claro que não, alternativa 1) selecione várias fotos ao mesmo tempo e digite as informações para todas de uma vez, alternativa 2) selecione a foto com as informações preenchidas, vá ao menu Edit -> Copy IPTC Information, selecione a foto de destino, vá ao menu Edit -> Paste IPTC Information e as informações serão copiadas de uma foto para a outra, alternativa 3) crie um (ou vários) modelos (presets) com as informações que deseja incluir nas fotos e depois edite ou adicione o que desejar, veja a seguir como fazer isso.

Criando modelos de IPTC

Para aquelas informações que deseja inserir em praticamente todas as suas fotos como seu nome, e-mail, website, etc. o ideal é criar um preset já com essas informações e apenas carregá-lo nas fotos.

Vejamos então como criar/editar um preset. Vá ao menu Edit -> Options e selecione a opção XMP/IPTC Preset:

XMP/IPTC Preset

XMP/IPTC Preset

Nesta janela você pode ver três presets já definidos: Copyright Only, Exhibition e Wedding, todos possuem os mesmos campos para preenchimento, a diferença está em quais serão ou não utilizados.

Aqui você poderá criar um novo preset em branco clicando no botão New, criar um novo preset tomando outro como base e duplicando suas informações clicando no botão Duplicate ou excluir um preset que não deseja mais utilizar clicando no botão Delete.

Observe que você não é obrigado a preencher todas as informações e mesmo que as preencha não é obrigado a embuti-las no arquivo, para embutir/não embutir uma sessão inteira use a caixa que fica no topo da sessão (Tags, Description e Contact no caso da imagem acima).

Aplicando modelos IPTC

Para carregar um modelo IPTC nas fotos selecione a(s) foto(s) na(s) qual(is) deseja aplicar o modelo e vá até o menu Edit -> Load XMP/IPTC Information e escolha o modelo desejado:

Aplicando um preset

Aplicando um preset

Fazendo ajustes rápidos em suas fotos

Embora esta não seja a função principal do View NX ele permite que você faça alguns ajustes fundamentais em suas imagens, talvez ele tenha ganhado essa funcionalidade já que ele pode ser usado para imprimir suas fotos e a Nikon achou que não deveria obrigar seus usuários a comprar um programa de edição como o Capture NX ou o Adobe Photoshop para poder ter um produto final (foto impressa) em mãos.

Embora não o utilize com essa finalidade algumas vezes tiro proveito dessa edição rápida para fazer correções que me impossibilitam de avaliar a foto, correções de exposição e White balance, por exemplo, passando por modelos de cor diferentes no Picture Control consigo visualizar a foto com vários padrões de cor para ver se algum deles pode tornar uma foto pouco interessante em uma que valha a pena editar.

Os ajustes são simples e bastante intuitivos, basta abrir a aba Quick Adjustment e se divertir, uma cobertura das funcionalidades aqui encontradas está fora do escopo desse texto.

Vale lembrar que alguns ajustes somente estarão habilitados para arquivos NEF e que ainda não hajam sido editados no Capture NX.

Os ajustes encontrados nessa sessão são:

  • Exposure Compensation (RAW images only)
  • White Balance (RAW images only)
  • Picture Controls (RAW images only)
  • Sharpen Image Outlines
  • Adjust Contrast
  • Adjust Brightness
  • Adjust Highlights and Shadows
  • Correct Gradations (D-Lighting HS)
  • Adjust Saturation (Color Booster)
  • Correct Axial Color Aberration

Picture Control Utility

Vários modelos de câmeras Nikon suportam o Picture Control, este é um recurso que permite manipular vários ajustes finais na imagem de uma única vez, todos os ajustes que você consegue fazer sobre um arquivo NEF podem ser gravados como um Picture Control e usado nas câmeras com suporte a esse recurso e em outros softwares como o Capture NX.

No próximo passo do nosso workflow mostrarei como criar seus próprios modelos, nessa fase veremos apenas como aplicar os modelos existentes.

Para mudar todo um conjunto de ajustes de uma única vez aplicando um Picture Control selecione uma imagem e vá ao menu File -> Launch Picture Control Utility, o aplicativo será aberto separado e permitirá que você visualize sua foto com outros Picture Controls instalados.

Outras funções interessantes do View NX

A esta altura já vimos o que há de mais importante no View NX para esta parte do nosso workflow, mas para não passar em branco vejamos algumas funções interessantes.

Exibindo o ponto de foco da foto

Você encontrará tanto na barra de atalhos quanto no menu Image a opção Show Focus Point, esta função faz exatamente o que seu nome sugere, exibe em cada imagem uma marca onde estava o foco na hora da foto:

Ponto de foco

Ponto de foco

Enviando fotos por email

O View NX permite que você envie uma ou mais fotos por email, esse processo já incluirá a conversão do formato do arquivo e seu redimensionamento, para isso, vá ao menu File -> Email:

Configurando o envio por email

Configurando o envio por email

Configurando o envio por email

Configurando o envio por email

Enviando fotos ao my PictureTown

O envio de fotos ao my PictureTown já foi discutido na primeira parte desse tutorial e é praticamente igual. Use o menu File -> my PictureTown.

Rotacionando imagens

Muitas câmeras adicionam informação sobre a orientação da foto (retrato ou paisagem), o View NX esta apto a reconhecer essa informação automaticamente e girar suas fotos de acordo, porem, se isso não ocorrer use uma das opções Rotate no menu Image.

Coloque sua foto no mapa

Você poderá ligar um GPS à sua câmera (modelos suportados) e ela mesma se encarregará de embutir essa informação nos metadados de suas fotos, caso você não possua esse equipamento, ainda assim poderá inserir essa informação em suas fotos através do View NX, para isso selecione as fotos desejadas e vá ao menu Image -> Geo Tags:

Geotags

Geotags

Na janela que se abre selecione uma ou mais fotos, digite o local na caixa de pesquisa e clique em Search Maps, se necessário, amplie o mapa até ter certeza de que pode clicar no local correto. Selecione a função Add/Edit GPS Data (o ícone de um globo) e clique no mapa no local em que a foto foi tirada. Após repetir esse processo para todas as fotos clique em Exit e todas as fotos terão agora a informação de localização.

Concluímos assim a segunda parte de nosso workflow.

Anúncios

11 respostas em “Workflow Nikon

  1. Fala mestre, mt legal este tuto, ainda mais pra eu,que tenho pouca familiaridade com essas paradas,meu negocio para no clik mesmo kkkkkkkk
    agora já sei onde recorrer.

    abs

  2. Grande Mestre Ric, sensacional este seu fluxo de trabalho, com certeza vou ser obrigado a pescar algo aqui.

    È mt legal vc compartilhar os conhecimentos com os colegas,principalmente,para caras como eu,
    que não tem mt conhecimento dos softwares de edição.

    Parabéns pela ótima qualidade do trabalho.

    Abração

    Magoo

  3. Ola Ricardo tudo bem !!
    Muito ,um belo trabalho.
    Aguardo anciosamente sobre o NX Capture,pois como naw sei ler ingles nem japones ,sómente uma pessoa como voce para que eu possa usar o NX.
    Um grande abraço
    Ricardo Uehara.

  4. Ilustre Ricardo, meus cumprimentos, com os respeityos que te são devidos.

    Parabéns, pelo trabalho demonstrado, no fluxo de trabalho, demonstrando de forma clara, para os menos entendidos, ( como Eu, ) a melhor maneira de gerenciar as imagens.

    De grande ajuda, para os iniciants nesta área.

    Abraços,

    VENDOLINO ANDRADE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s